Poesias de Amor

Deixa que o olhar do mundo

Deixa que o olhar do mundo

Deixa que o olhar do mundo enfim devasse Teu grande amor que é teu maior segredo! Que terias perdido, se, mais cedo, Todo o afeto que sentes se mostrasse? Basta de enganos! Mostra-me sem medo Aos homens, afrontando-os face a face: Quero que os homens todos, quando eu passe, Invejosos, apontem-me com o dedo. Olha:…

Continue Lendo

Quero

Quero

Quero que todos os dias do ano todos os dias da vida de meia em meia hora de 5 em 5 minutos me digas: Eu te amo. Ouvindo-te dizer: Eu te amo, creio, no momento, que sou amado, No momento anterior e no seguinte, como sabê-lo? Quero que me repitas até à exaustão que me…

Continue Lendo

À minha eterna namorada

À minha eterna namorada

Lembro cada Momento
Único e verdadeiro
Com você a meu lado
Iremos ser muito felizes
Amando-nos por inteiro.

Hoje, ontem e amanhã.
Estaremos sempre juntos
Lembrando o que passou
Esperança é o que restou
Na vida intensa vivida
Amaremos por toda vida.

Quando é amor não definha

Quando é amor não definha

Amor quando é amor não definha
E até o final das eras há de aumentar.
Mas se o que eu digo for erro
E o meu engano for provado
Então eu nunca terei escrito
Ou nunca ninguém terá amado.

William Shakespeare

Todas as cartas de amor

Todas as cartas de amor

Todas as cartas de amor são Ridículas. Não seriam cartas de amor se não fossem Ridículas. Também escrevi em meu tempo cartas de amor, Como as outras, Ridículas. As cartas de amor, se há amor, Têm de ser Ridículas. Mas, afinal, Só as criaturas que nunca escreveram Cartas de amor É que são Ridículas. Quem…

Continue Lendo

Confia em meu amor

Confia em meu amor

Duvida da luz dos astros,
De que o sol tenha calor,
Duvida até da verdade,
Mas confia em meu amor.

William Shakespeare

Soneto

Soneto

Encontrei-te. Era o mês… Que importa o mês? Agosto, Setembro, outubro, maio, abril, janeiro ou março, Brilhasse o luar que importa? ou fosse o sol já posto, No teu olhar todo o meu sonho andava esparso. Que saudades de amor na aurora do teu rosto! Que horizonte de fé, no olhar tranqüilo e garço! Nunca…

Continue Lendo

Imenso amor meu

Imenso amor meu

Imenso amor o meu, tão grande Que minha alma, liberta da couraça Do egoísmo, da mágoa, da aridez, Vive no espaço que esse amor lhe traça. Dia após dia, mês depois de mês, Sigo teus passos, preso à tua graça. És a resposta a todos os porquês E a afirmação de que nem tudo passa….

Continue Lendo

Como quem ama a rosa

Como quem ama a rosa

Amo-te como quem ama a rosa
Me aproximo
Sinto teu perfume
Rego-te
Te admiro
Mas não te tomo para mim
Pois ao tomar-te para mim
Eu veria tua beleza dissipando-se diante de mim
Faço-me, portanto, beija-flor
E beijo-te apenas
Nunca te carrego comigo
Levo-te apenas dentro de mim…

Soneto do amor total

Soneto do amor total

Amo-te tanto, meu amor… não cante O humano coração com mais verdade… Amo-te como amigo e como amante Numa sempre diversa realidade Amo-te afim, de um calmo amor prestante, E te amo além, presente na saudade. Amo-te, enfim, com grande liberdade Dentro da eternidade e a cada instante. Amo-te como um bicho, simplesmente, De um…

Continue Lendo

Memória

Memória

Amar o perdido
deixa confundido
este coração.

Nada pode o olvido
contra o sem sentido
apelo do Não.

As coisas tangíveis
tornam-se insensíveis
à palma da mão.

Mas as coisas findas,
muito mais que lindas,
essas ficarão.

Carlos Drummond de Andrade

Amar

Amar

Que pode uma criatura senão, entre criaturas, amar? amar e esquecer, amar e malamar, amar, desamar, amar? sempre, e até de olhos vidrados, amar? Que pode, pergunto, o ser amoroso, sozinho, em rotação universal, senão rodar também, e amar? amar o que o mar traz à praia, o que ele sepulta, e o que, na…

Continue Lendo

Poema dos olhos da amada

Poema dos olhos da amada

Ó minha amada Que olhos os teus São cais noturnos Cheios de adeus São docas mansas Trilhando luzes Que brilham longe Longe nos breus… Ó minha amada Que olhos os teus Quanto mistério Nos olhos teus Quantos saveiros Quantos navios Quantos naufrágios Nos olhos teus… Ó minha amada Que olhos os teus Se Deus houvera…

Continue Lendo

Amar e ser amado

Amar e ser amado

Amar e ser amado! Com que anelo Com quanto ardor este adorado sonho Acalentei em meu delírio ardente Por essas doces noites de desvelo! Ser amado por ti, o teu alento A bafejar-me a abrasadora frente! Em teus olhos mirar meu pensamento, Sentir em mim tu’alma, ter só vida Pra tão puro e celeste sentimento:…

Continue Lendo

Estes olhos são da minha amada

Estes olhos são da minha amada

Estes olhos são da minha amada: que belos, que gentis, e que formosos! Não são para os mortais tão preciosos os doces frutos da estação dourada. Por eles a alegria derramada, tornam-se os campos de prazer gostosos; em zéfiros suaves, e mimosos toda esta região se vê banhada. Vinde, olhos belos, vinde; e enfim trazendo…

Continue Lendo

Como te amo?

Como te amo?

De quantas formas eu te amo? Deixa-me contá-las. Amo-te profunda e largamente, e tão alto quanto Alcança a minha alma, quando perco de vista Os propósitos do Ser e do ideal da Graça. Amo-te tanto quanto as menores necessidades Do dia-a-dia, seja à luz do sol ou à luz de velas. Amo-te livre, como os…

Continue Lendo

Fanatismo

Fanatismo

Minh’alma, de sonhar-te, anda perdida. Meus olhos andam cegos de te ver! Não és sequer razão do meu viver, Pois que tu és já toda a minha vida! Não vejo nada assim enlouquecida… Passo no mundo, meu Amor, a ler No misterioso livro do teu ser A mesma história tantas vezes lida! “Tudo no mundo…

Continue Lendo

Para não deixar de amar

Para não deixar de amar

Saberás que não te amo e que te amo pois que de dois modos é a vida, a palavra é uma asa do silêncio, o fogo tem a sua metade de frio. Amo-te para começar a amar-te, para recomeçar o infinito e para não deixar de amar-te nunca: por isso não te amo ainda. Amo-te…

Continue Lendo

Amor é bicho instruído

Amor é bicho instruído

Amor é bicho instruído
Olha: o amor pulou o muro
o amor subiu na árvore
em tempo de se estrepar.
Pronto, o amor se estrepou.
Daqui estou vendo o sangue
que escorre do corpo andrógino.
Essa ferida, meu bem
às vezes não sara nunca
às vezes sara amanhã.

Carlos Drummond de Andrade

Soneto LXVI

Soneto LXVI

Não te quero senão porque te quero e de querer-te a não querer-te chego e de esperar-te quando não te espero passa meu coração do frio ao fogo. Te quero só porque a ti te quero, te odeio sem fim, e odiando-te te rogo, e a medida de meu amor viageiro é não ver-te e…

Continue Lendo