Queda no chão

Pouco belo, de situação econômica e social mediana, mas muito presunçoso, julgava-se “pintado de ouro”.
Achava que todos deviam concordar consigo, embora pudesse discordar dos outros. E discordar era o que mais gostava, além da ironia e humilhação com os que lhe vinham. Tudo para demonstrar a superioridade que supunha ter.

Vestia-se imponentemente, exigia demais de si e dos demais, mas nunca conseguiu satisfazer-se ou ser feliz.

Discutia com a esposa, reprimia os filhos e maltratava os empregados. E isso mesmo fazia com os amigos e estranhos que encontrava.
Acreditava que tudo sabia, e que a cultura era só o que precisava conquistar.

Preconceituoso, descriminava a tudo e todos que não lhe fossem semelhantes: de outras religiões, convicções políticas, raças ou posições sociais. Se um inculto, por exemplo, lhe dirigia a palavra simplesmente não respondia. Afinal, a educação para essas pessoas era dispensável.

A saúde era que não ia bem, com o estresse que impunha à sua vida, cigarros e preocupações vazias. Até um dia, quando voltava para casa à noite, sentir-se mal numa estrada deserta. Sua vista embaçada e a fraqueza repentina nas pernas acabaram o derrubando no chão.

Foi socorrido e levado a um bom hospital por um negro, analfabeto, ex-presidiário e pobre, que ainda lhe dedicou muitas orações, no culto africano que frequentava.

Mensagens relacionadas
Medo
Todo mundo tem ou já teve medos. Pode ser de aranha, de avião.Pode ser medo do mar, e até...
Parecer integro
A história é sobre um ladrão que fora preso. O incidente aconteceu em 1887 em um pequeno supermercado de...
As virtudes
Certa vez, há muito tempo, havia um palácio esplêndido, no coração de um santuário secreto, cujo limiar não tinha...
O pequeno embrulho
O homem, por detrás do balcão, olhava a rua de forma distraída. Uma garotinha aproximou-se da loja e amassou...