Querido professor

Até que sejamos mestres
Não somos mestres de nada
Somos aprendizes aprendendo
Se não somos perfeitos como a fonte
É porque nossa transformação é constante
Como a da água do rio corrente.

Mestres são cristais lapidados
Se às vezes não se mostram tão reluzentes
É que nalgum momento emergente
Se mostram feras, homens, “só gente”.

Vivendo e aprendendo
Errando, acertando
Nos escondendo e nos mostrando
Muitas e muitas vezes, não somos, estamos.

Sagrar-se-á mestre a alma
Quando for capaz de tudo e de nada
De cultivar, reconhecer, respeitar e amar
As chagas adquiridas ao longo desta jornada.

Mensagens relacionadas
Comente esta mensagem